quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Homem teria sido morto na frente da namorada por não dar celular para assaltante, diz polícia

Bandido esfaqueou vítima cerca de 15 vezes para depois fugir com celular.

Polícia Civil e Forna Nacional atenderam a ocorrência no em uma das ruas mais movimentadas do Centro de Porto Alegre - Foto: Ronaldo Bernardi /Agência RBS

A Polícia Civil trata o assassinato de um homem no Centro de Porto Alegre, na madrugada desta quinta-feira (10), como um latrocínio (roubo com morte). Eduardo Custódia Dias, 35 anos, teria se negado a entregar seu celular para um assaltante. Em uma resposta violenta, o bandido começou a dar facadas contra a vítima, que caiu morta, golpeada cerca de 15 vezes na Rua Voluntários da Pátria.

Dias e a namorada haviam passado a noite em um bar do Centro. O casal caminhava para pegar um ônibus rumo a Alvorada, na Região Metropolitana, onde morava, quando houve o crime, por volta das 5h. A mulher também foi ferida pelo assaltante, com pelo menos um golpe na perna. Principal testemunha do caso, ela foi levada para um hospital e já ouvida pela Polícia Civil.

A namorada contou que o bandido, que agiu com violência, pegou celulares dos dois depois das facadas e fugiu. Ele não foi encontrado durante as buscas da Brigada Militar na região.

O caso inicialmente foi atendido pelo Departamento de Homicídios. O delegado Daniel Mendelski diz que todas as hipóteses serão investigadas.

— Os dados que estamos colhendo vão para o lado do latrocínio, mas não podemos descartar nada ainda — resumiu o investigador.

ZERO HORA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.