quarta-feira, 5 de julho de 2017

Marido matou pastora para ficar com o amante em Montenegro, diz polícia

Marta Maria Kunzler foi morta asfixiada em 14 de junho, mesmo dia em que completou 63 anos

A investigação sobre um possível latrocínio acabou revelando um crime premeditado em Montenegro, no Vale do Caí. Conforme a Polícia Civil, a pastora Marta Maria Kunzler, da Igreja do Evangelho Quadrangular, foi morta pelo marido, de 38 anos, o amante dele e dois amigos. O crime ocorreu no dia 14 de junho, mesma data em que Marta completou 63 anos.

Para o delegado Eduardo Azeredo, tudo foi tramado para que o marido pudesse ficar com o amante, e que os dois pudessem usufruir dos bens da pastora. A vítima, inclusive, conhecia o amante do marido, mas não desconfiava dos dois.

– É claramente um crime passional, em que o marido e principal envolvido ficaria com os bens da vítima, como casa, veículos. E ficaria, definitivamente, com o amante também – comenta o delegado.

Marta foi morta asfixiada, após ser atingida por golpes de faca dentro de casa, por volta das 22h30min daquela quarta-feira. Os criminosos ainda colocaram uma música em som alto para que os gritos da vítima não fossem ouvidos pelos vizinhos.

Os bandidos, depois, fugiram no carro da pastora – que foi encontrado no interior do município com uma faca e um moletom dentro. Inicialmente, o marido informou à polícia que assaltantes entraram na casa, agrediram, mataram Marta e procuraram pertences revirando gavetas.

De acordo com o delegado, o suspeito combinou de dar R$ 1 mil aos amigos que ajudaram no crime. No entanto, não teria conseguido o valor e entregou apenas R$ 100.

O marido, o amante e um dos amigos estão presos temporariamente pelo crime. O quarto suspeito, também com prisão decretada, está foragido. Em depoimento ao delegado, o marido da pastora nega participação no crime e garante não estar envolvido.

Nos próximos dias, a polícia vai encaminhar o inquérito ao Poder Judiciário. O delegado deve pedir a prisão preventiva de todos pelo crime de homicídio doloso qualificado. Entre as provas estão câmeras de segurança, que flagraram o marido entrando em casa.

Fonte: Gaúcha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.