sexta-feira, 28 de julho de 2017

BM reforça policiamento para evitar reações de quadrilhas após transferência de líderes para presídios federais

Operação Pulso Firme transferiu 27 líderes de facções de presídios gaúchos para fora do Estado.

Comboio enviado durante a transferência de presos para presídios federais - Foto: SSP /Divulgação

Atenta a eventuais reações nas ruas contra a Operação Pulso Firme, que transferiu 27 líderes de facções de presídios gaúchos para fora do Estado, a Brigada Militar afirma ter reforçado o efetivo em Porto Alegre nesta sexta-feira (28). O comandante interino do Comando de Policiamento da Capital, coronel Marcelo Tadeu Pitta Domingues, adianta que barreiras são realizadas em áreas conflagradas pelo tráfico de drogas. 

Além de mais policiais nas ruas, há equipes adicionais em relação a em um dia considerado normal para atender ocorrências chamadas pelo 190. O comando quer dar a resposta mais ágil possível caso algo aconteça.

O número de policiais a mais, no entanto, não é informado. Segundo o coronel, todo o efetivo da Operação Avante, da Força Nacional de Segurança  e os novos soldados que foram formados no último concurso estão nas ruas hoje e ficarão durante o final de semana.

— Não podemos falar o número para não armar o inimigo contra nós, mas a sociedade pode ficar tranquila porque a Brigada Militar está preparada para qualquer impasse — ressalta Domingues.

Desde a 0h desta sexta-feira, nenhuma ocorrência considerada grave, como assassinatos, foi registrada em Porto Alegre, de acordo com o Departamento de Comando e Controle Integrado.

Mesma promessa na Região Metropolitana

O Comando de Policiamento Metropolitano da Brigada Militar diz que as tropas também estarão reforçadas na Região Metropolitana. O coronel Altemir Silva de Lima se resumiu a dizer que "a atenção será a mesma que na Capital".

ZERO HORA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.