terça-feira, 9 de maio de 2017

Quadrilha que explodiu carro-forte em Caxias é investigada por ataque em Vacaria

O Deic tem indícios de que o mesmo grupo criminoso explodiu blindados ontem e há quase dois meses na Serr

Foto: Divulgação PRF

A Delegacia de Roubos do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) começou a investigar ainda na segunda-feira (8) o ataque a carro-forte ocorrido por volta de 18h30min no quilômetro 170 da BR-116, no distrito de Vila Cristina, em Caxias do Sul. A polícia tem indícios de que pode ser a mesma quadrilha que há quase dois meses fez ação semelhante em Vacaria, na mesma rodovia.

Ontem, o grupo interceptou o veículo da empresa Prosegur e chegou a explodir quatro vezes o blindado. Duas pessoas ficaram feridas e não corem risco de vida, seis quilos de dinamite encontrados no local foram desativados e quatro carros queimados foram encontrados, sendo dois de usuários da rodovia e dois dos suspeitos. Para o delegado Joel Wagner, tudo indica que são os mesmos ladrões que explodiram no dia 13 de março deste ano um carro-forte da Brinks no quilômetro 50 da BR-116 em Vacaria.

Nos dois casos, foram usados inicialmente dois carros e seriam entre cinco e seis bandidos, além de ser utilizada a mesma rodovia. Apesar de não terem acionado ontem uma metralhadora .50, que perfura blindagens e é usada para derrubar aviões, os suspeitos estariam portando a arma. Em Vacaria, o blindado foi atacado pelo mesmo tipo de arma automática. Em Caxias, o veículo foi atingido por tiros de fuzil AK 47. As armas são adquiridas ilegalmente na fronteira do Brasil com a Argentina e com o Uruguai. A polícia não descarta que os bandidos que explodiram o blindado também estão atacando bancos com uso de explosivos. 

Um suspeito de ter participado do ataque realizado ontem, com prisão preventiva decreta e na condição de foragido, é Guilherme Costa Ambrósio (foto). As buscas aos suspeitos prosseguem e a polícia segue averiguando os veículos suspeitos que estão sendo apreendidos na Serra.

Sobre um criminoso preso na noite passada após tentar fugir de barreira da Polícia Rodoviária Federal na BR-386, em Lajeado, que tem antecedentes criminais e seria parceiro do bandido Seco, José Carlos dos Santos, preso na década passada por assaltos a carros forte, o Deic informa que vai investigar o envolvimento dele. Mas, em princípio, o suspeito teve uma multa de trânsito em outra localidade em horário próximo ao do ataque ao blindado na Serra.

Qualquer informação ou denúncia sobre este caso pode ser repassada de forma anônima pelo telefone 0800 510 2828.

Fonte: Gaúcha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.