sexta-feira, 26 de maio de 2017

Presos suspeitos de assassinato em frente à rodoviária de Porto Alegre

Investigação revelou que o crime foi ordenado de dentro de um presídio; mandante não queria deixar a vítima sair do tráfico de drogas.

Ataque a tiros deixou, ainda, mulher ferida por bala perdida

Foto: Ronaldo Bernardi /Agência RBS

O Departamento de Homicídios encontrou dois homens suspeitos de envolvimento na execução de um homem em frente à Estação Rodoviária de Porto Alegre, em novembro de 2016. Uma operação foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (26), quando foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão – sendo cinco em São Borja, um em Uruguaiana e um em Canoas.

Gian Carlos Machado Ortiz, 20 anos, foi preso preventivamente em São Borja, na Fronteira Oeste – mesma cidade onde morava a vítima e de onde partiu o desentendimento que teria culminado no assassinato.

O homem é suspeito de acompanhar todo o trajeto de Bruno Dorneles Ribeiro, 24 anos, no ônibus que veio do Interior do Estado até Porto Alegre. A missão dele, de acordo com a investigação, era repassar as informações ao atirador sobre a chegada do veículo à Capital. 

Em outra cidade da região, o suspeito de ser o mandante do crime foi encontrado. Segundo a Polícia Civil, Marcos Martins Antunes, 26 anos, é detento do Presídio Estadual de Uruguaiana e ordenou a ação de dentro da casa prisional. Dois celulares foram apreendidos com ele.

A polícia ainda não encontrou o homem apontado como o atirador, que, além de matar a vítima, ainda feriu uma passageira de um ônibus que passava pela região. Ele foi identificado como Tarcis Fernando da Silva Gavião, 23 anos (foto abaixo), já com três mandados abertos por homicídios no Rio Grande do Sul. Ele estaria escondido na Região Metropolitana.

Foto: divulgação / Polícia Civil

O motivo do crime, segundo a delegada Roberta Bertoldo, da 2ª Delegacia de Homicídios, é um desentendimento ligado ao tráfico de drogas do município. Ela diz que as investigações apontaram que Bruno viajou para a Capital para fugir de ameaças de um grupo criminoso que atua na cidade de São Borja. Conforme a delegada, ele queria começar uma vida nova longe dos seus assassinos.

– Objetivo era fugir deles, dessa quadrilha. Ele já recebia ameaças de morte por parte desse grupo. Ele já tinha traficado para o mandante, mas queria abandonar o crime e iniciar uma vida nova em Porto Alegre, junto com familiares – comenta a delegada.

A conclusão da investigação e o indiciamento ocorreram em dezembro, mas a Polícia Civil aguardava o deferimento dos mandados e também descobrir a localização dos envolvidos para prendê-los.

A investigação pede para que qualquer informação sobre o paradeiro do foragido seja repassada através do telefone 0800-642-01-21. A Polícia Civil garante sigilo absoluto.

GAÚCHA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.