quinta-feira, 11 de maio de 2017

Polícia conclui que PMs agiram em legítima defesa ao matar jovem no Morro da Embratel, em Porto Alegre

Conforme a Polícia Civil, os PMs estavam em risco e atiraram para proteger suas integridades físicas

A 1ª DHPP concluiu o inquérito que apurou a morte de Wesley Bolico Miranda, 20 anos, em um confronto com a Brigada Militar em março deste ano, no Morro da Embratel, na zona sul de Porto Alegre. Conforme o delegado Rodrigo Reis, nenhum dos policiais militares envolvidos foi indiciado por homicídio porque agiram em legítima defesa.

De acordo com a investigação, Miranda e outro homem - que não teve a identidade revelada - estavam na rua da Igreja quando avistaram uma viatura da Brigada Militar. O inquérito não apontou qual dos suspeitos disparou contra os policiais, que revidaram. Conforme a Polícia Civil, os PMs estavam em risco e atiraram para proteger suas integridades físicas. 

Nenhum policial ficou ferido na ação. Miranda morreu a caminho do hospital. 

O outro homem foi indiciado por tentativa de homicídio qualificado contra os policiais, mas a Justiça não decretou a prisão preventiva. Um Inquérito Policial Militar também foi instaurado. A reportagem entrou em contato com a Brigada Militar para saber se os policiais foram absolvidos ou indiciados, entretanto, ainda não teve retorno.

O caso

Um jovem de 20 anos morreu em um confronto com a polícia no começo da tarde da quarta-feira, 8 de março, na zona sul de Porto Alegre. Segundo a Brigada Militar, Wesley Bólico Miranda estava na Rua da Igreja, no bairro Cascata, quando se deparou com uma guarnição do Batalhão de Operações Especiais (BOE).

Miranda atirou contra os policiais, que revidaram. Ele foi atingido e levado ao Hospital de Pronto Socorro, mas não resistiu aos ferimentos. 

Junto com o suspeito foi encontrado um revólver calibre 38 com seis cartuchos, 26 tijolinhos de maconha, 56 pedras de crack, 35 pinos de cocaína, além de R$ 80. De acordo com a polícia, ele já tinha antecedentes criminais por posse de entorpecentes.

Fonte: Gaúcha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.