segunda-feira, 22 de maio de 2017

Ministério Público denuncia padrasto e mãe por morte de menina em Santa Cruz do Sul

Segundo MP, a mãe sentia ciúmes da filha que era constantemente estuprada pelo padrasto.

Foto: Reprodução /Facebook

O Ministério Público denunciou o padrasto e a mãe de Francine Matias Da Silva Sins, 13 anos, assassinada na páscoa, em Santa Cruz do Sul. Motivada pelo ciúme que sentia da filha que era estuprada constantemente pelo padrasto, a mãe pediu ao companheiro que matasse a adolescente. 

À convite do padrasto Ronaldo dos Santos, 31 anos, Francine teria ido com ele comprar chocolates em um mercado próximo à casa onde morava. Na tarde do crime, em 14 de abril, a mãe Geni Sins, 54 anos, registrou o desaparecimento da filha na Polícia Civil. Após realizar buscas na região, a menina foi encontrada um dia depois, à 2 km de casa, em um matagal, com marcas de estrangulamento e ferimentos causas por pancadas na cabeça. 

Ronaldo, que é sobrinho de Geni Sins, se entregou a Polícia Civil seis dias depois do crime. O padrasto apontou a mulher como participante do assassinato de Francine, que teria pedido à ele que fizesse isto devido ao ciúme que sentia da própria filha. Ronaldo, que segue no sistema prisional, responderá por estupro e homicídio. 

Geni Sins, por enquanto, está em prisão domiciliar e responderá por homicídio. Segundo o Ministério Público, ambos, mãe e padrasto, estão sendo denunciados por homicídio com sete qualificadoras: motivo torpe, mediante paga, emprego de asfixia,  dissimulação,com recurso que dificultou a defesa da vítima, cometido contra mulher - violência doméstica e familiar, contra pessoa menor de 14 anos e por ocultação de cadáver.

A decisão do MP publicada em 8 de maio foi anunciada nesta sexta-feira (22).

Fonte: Gaúcha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.