quarta-feira, 24 de maio de 2017

Após 4h de negociação, suspeito de homicídio é preso em Guaíba

Homem de 74 anos ameaçava policias e resistia a prisão portando duas facas confinado dentro de casa.

Desde o começo da manhã desta quarta-feira (24), em Guaíba, a Polícia Civil cumpriu mandado de prisão contra Edmundo Nunes, 74 anos, suspeito de assassinar a facadas Luis Dias da Silva, de 34 anos, em Porto Alegre. Durante 4 horas, os policiais negociaram a rendição do homem – que resistia à prisão, confinado em casa portando duas facas e ameaçando os agentes.

Segundo relatos de policiais, Nunes, além de ter deficiência mental, apresentava sinais de embriaguez. A esposa e o filho dele conseguiram sair da residência, localizada no bairro Cohab Santa Rita.

Depois de 4 horas de negociação, o suspeito se rendeu, e o grupo tático da Polícia Civil efetuou a prisão preventiva. O homem será encaminhado ao Presídio Central de Porto Alegre.

– No início achamos que ele tentaria suicídio. Assim que anunciamos a prisão, Edmundo se trancou no quarto com duas facas e ficou fazendo ameaças contra a diligência. Estava tão alterado que ainda não conseguimos conversar com ele sobre o crime que cometeu e o motivo pelo qual está sendo preso – contou o delegado Eibert Moreira Neto.

O crime

O crime ocorreu na manhã do dia 15 de fevereiro, no Centro da Capital, quando Nunes – que trabalhava como ambulante na região – teria se aproximado da vítima para pedir fogo para acender um cigarro. Após caminhar por alguns metros, o suspeito teria puxado uma faca, guardada em um isopor que carregava, e desferido um golpe no peito de Silva – que morreu no local do crime.

Segundo a delegada que apura o caso, a polícia chegou até o suspeito após a investigação identificar Edmundo Nunes em imagens de câmeras de segurança que flagraram o crime.

– Após a execução, Edmundo saiu caminhando como se nada tivesse acontecido – contou a delegada Roberta Bertoldo.

Fonte: Gaúcha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.