segunda-feira, 3 de abril de 2017

PMs do interior deslocados para a Capital voltarão às cidades de origem em junho

Entre os 350 servidores, pelo menos metade não seguirá atuando em Porto Alegre.

 











Policiais do interior foram apresentados em março na terceira etapa da Operação Avante - Foto: Omar Freitas /Agencia RBS

Parte dos 350 policiais militares do interior do Estado que foram deslocados para Porto Alegre, no mês passado, voltarão às cidades de origem em junho. Pelo menos metade do total, 175 servidores, será reconduzida aos Batalhões de Operações Especiais (BOE) de Santa Maria e Passo Fundo. O restante poderá ficar mais algum tempo na Capital, embora esteja prevista a substituição periódica dos brigadianos.

“Eles ficam 15 dias, 20 dias, depois vão para suas cidades. Vai ser um revezamento constante para evitar problemas nos municípios”, afirma o secretário estadual da Segurança Pública, Cezar Schirmer.
Para atenuar a redução do efetivo em cidades do interior gaúcho, recursos para horas-extras e diárias foram liberados.

Formatura
O prazo para desmobilização de parte do grupo enviado a Porto Alegre coincide com a formatura de 1.060 policiais militares, que iniciaram curso de formação no ano passado. A expectativa é que eles estejam aptos para atuar no policiamento ostensivo na primeira quinzena de julho.

Prazos
Abril – As provas objetivas do concurso da Superintendência de Serviços Penitenciários do RS (Susepe) que prevê a contratação de 720 agentes prisionais serão aplicadas. O edital do concurso que vai oferecer 120 vagas para o Instituto-Geral de Perícias (IGP) será lançado.

Maio – Início da atuação de parte dos 500 policiais militares da reserva. Eles farão parte da Patrulha Escolar ou irão substituir brigadianos que atuam em serviços administrativos ou em videomonitoramento.

Maio – Possibilidade de lançamento de concurso público para a Brigada Militar, Bombeiros e Polícia Civil. No entanto, o governador José Ivo Sartori condiciona a ação à aprovação de projetos de lei e propostas de emendas constitucionais que estão em tramitação na Assembleia Legislativa. Entre os textos, há o que amplia o tempo de serviço de militares antes da aposentadoria.

Junho/Julho – Haverá a incorporação efetiva de 1.060 PMs, 260 bombeiros e 223 policiais civis, que realizam curso preparatório e já atuam no policiamento ostensivo ou em investigações sob supervisão.

Início de 2018 – Expectativa de incorporação de 421 PMs, 101 bombeiros e 141 policiais civis. O grupo, aprovado em concurso público, deve ser chamado nos próximos dias.


Fonte: Gaúcha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.