terça-feira, 21 de março de 2017

Polícia responsabiliza adolescente de 12 anos por morte de estudante em Cachoeirinha

Na investigação, delegado aponta que Gonçalves poderia ter sido salva se socorristas soubessem do estrangulamento

Marta morreu por asfixia no dia 8 de março dentro da sala de aula - Foto: Arquivo Pessoal /Arquivo Pessoal

Após ouvir 22 testemunhas, incluindo alunos e socorristas, o delegado Leonel Baldasso, da 1ª Delegacia de Polícia de Cachoeirinha, concluiu a investigação sobre a morte da adolescente Marta Avelhaneda Gonçalves, 14 anos. A vítima foi morta por asfixia dentro da sala de aula no dia 8 de março, na Escola Estadual Luiz de Camões, em Cachoeirinha. As informações são de Zero Hora.

Após ouvir os relatos dos alunos que presenciaram a briga, o delegado concluiu que apenas uma adolescente de 12 anos foi responsável por provocar a morte da vítima. A participação de outras duas meninas, que chegaram a prestar depoimento logo após o fato, foi descartada.

"De acordo com os depoimentos, uma delas correu para chamar a professora e a outra tentou separar as meninas que brigavam", explicou Baldasso.

A adolescente, que não terá o nome revelado por ser menor de idade, foi responsabilizada pelo ato infracional de homicídio. Em seu depoimento, ela negou que tenha estrangulado Marta e disse que a vítima teria incitado a briga. No dia da morte, a jovem alegou que Marta teria batido a cabeça.

Em depoimento, os alunos contaram que a adolescente responsabilizada revelou o golpe no pescoço da vítima para uma amiga: "Bah, apertei o pescoço dela, mas não fala para ninguém, diz que ela bateu com a cabeça".
Segundo os alunos, as meninas brigaram e caíram no chão. Em seguida, a adolescente teria asfixiado a vítima com o braço. O golpe foi rápido e fez Marta cair já com poucos sinais vitais.

O Procedimento Especial de Adolescente Infrator deve ser encaminhado ao Ministério Público até esta quarta-feira. Caberá à promotora da Infância e Juventude analisar as provas e decidir pela representação ou não da adolescente pelo ato infracional ao Poder Judiciário.

"Estou convicto de que houve homicídio em razão de todas as circunstâncias. Se fosse uma lesão na cabeça, como a jovem alegou, poderia se induzir que não houve intenção. Mas houve provação prévia e o laudo concluiu que houve estrangulamento, o que indica que houve intenção".

Verdade poderia ter salvado vítima
Além de entender que morte foi intencional em razão do estrangulamento, a polícia concluiu que o desfecho trágico poderia ter sido evitado caso a adolescente tivesse dito a verdade aos socorristas. Os profissionais do Samu que atenderam à ocorrência não sabiam que Marta havia sido estrangulada, pois não havia sinais externos. Eles também não foram informados que houve uma briga.
A informação repassada aos socorristas foi de que a vítima havia batido a cabeça. Portanto, os profissionais realizaram os procedimentos de acordo com a suposta causa. Eles ficaram cerca de meia hora no local tentando reanimá-la.

Foto: Schirlei Alves / Agencia RBS

"Os profissionais foram induzidos ao erro. Se soubessem que era uma asfixia, fariam um procedimento chamado de "cricotomia". Infelizmente, ela chegou ao hospital já sem pulso", lamentou o delegado.

Baldasso destacou ainda a cautela da médica ao atender a ocorrência no hospital. Em princípio, Marta chegou à unidade como vítima de morte natural. Porém, a especialista desconfiou e pediu a necropsia. Foi aí que se descobriu a morte por asfixia.

"No hospital não fazem necropsia quando a morte é natural. A médica acabou tomando conhecimento das circunstâncias e encaminhou o caso para a polícia", disse o delegado.

Bullying no primeiro dia de aula
Com base nos depoimentos dos alunos e de professores, a polícia identificou que a rixa entre Marta e a adolescente de 12 anos responsabilizada pela morte iniciou no primeiro dia de aula, ou seja, um dia antes da morte. Marta era aluna nova, pois havia mudado da Capital para Cachoeirinha com a mãe. No primeiro dia, a adolescente teria a chamado de "feia" e "balão".

Em um dos diálogos presenciados pelos colegas nos corredores da escola, Marta teria parado para tirar satisfação com a adolescente: "Está falando mal de mim?". E a adolescente teria respondido: "Sim, estou". Após alguns minutos de discussão, a adolescente teria questionado: "Quer ver então?". Este diálogo teria ocorrido pouco antes da briga.

Os professores disseram à polícia que não sabiam da confusão, pois ocorreu na troca de turno. Os cerca de 10 alunos que presenciaram o fato não contaram sobre a discussão. Porém, elas perceberam que pelo menos três meninas, entre elas a jovem apontada pela polícia, estavam agitadas no dia em que Marta morreu. 

Fonte:Zero Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.