quarta-feira, 15 de março de 2017

BM apresenta 350 policiais para reforçar a segurança em Porto Alegre

Secretário Cézar Schrimer fala em "ano da reação da segurança".

Policiais foram deslocados do Interior para coibir o aumento de homicídios e latrocínios em Porto Alegre - Foto: Omar Freitas /Agencia RBS

Com um discurso enérgico, pregando "a caça aos criminosos" e a maior dureza na repressão, o secretário da Segurança Pública Cézar Schirmer apresentou na manhã desta quarta-feira, no Parque Marinha do Brasil, em Porto Alegre, a terceira fase da Operação Avante. Chegaram à Capital — para atuar somente nas ruas da cidade — reforços de 350 brigadianos deslocados do Interior. Eles se somarão aos 200 agentes da Força Nacional de Segurança, que já estão na Capital. As informações são de Zero Hora.

"Vamos agir prioritariamente para frear os índices de homicídios, latrocínios e roubos de veículos. Mas, especialmente, queremos que a população aumente a sua percepção de segurança. As pessoas precisam ver que o policiamento está na rua, presente", diz o comandante-geral da Brigada Militar, coronel Andreis Dal'lago.

A perspectiva inicial era de que 400 PMs fossem deslocados do Interior. O planejamento, no entanto, foi alterado com a diminuição do efetivo vindo do Batalhão de Operações Especiais (BOE) de Santa Maria. De acordo com o oficial, a maior parte das tropas foram retiradas das unidades dos BOEs de Santa Maria e Passo Fundo. O comando não detalhou quais outros municípios cederam seus PMs para Porto Alegre.

"Nós não desguarnecemos nenhum município. Os policiais que vieram, ou são da nossa reserva, do BOE, ou são de municípios com efetivos maiores. Não há motivo para preocupação quanto a isso", garante Dal'lago.

Investimento
Como compensação, a Brigada Militar promete aumentar os valores de horas-extras aos batalhões que cederam seus policiais. Ao todo, serão investidos R$ 6 milhões entre diárias e horas-extras nesta nova etapa da Operação Avante. Não há prazo para manutenção do reforço na Capital.

"Pode ser um mês, três meses. Tudo dependerá de como os índices de criminalidade vão evoluir. No primeiro momento, esses policiais ficarão em Porto Alegre, mas poderão também ser deslocados para a Região Metropolitana", aponta o comandante.
Na mesma solenidade, foram entregues 200 novas escopetas calibre 12, adquiridas pelo Estado por R$ 300 mil, e que serão distribuídas a batalhões do Interior, além de 47 fuzis 5.56, como parte de um convênio entre a Brigada Militar e o Banco Central, que vão para policiais de Porto Alegre e do BOE.

Aumento nos latrocínios
O anúncio do reforço acabou acontecendo horas depois do nono caso de latrocínio (roubo com morte) em Porto Alegre neste ano. O crime, que vitimou um estudante no bairro São Geraldo, marca, segundo o levantamento da editoria de segurança dos jornais Diário Gaúcho e Zero Hora, uma alta de 50% nesse tipo de crime em comparação com o mesmo período do ano passado.

"Antes tarde do que nunca. Temos escassez de recursos e, entre janeiro e fevereiro, não teríamos como deslocar todo esse efetivo em virtude das ações no Litoral. A partir de agora, eu afirmo que começamos o ano da reação da segurança pública. Vamos agir energicamente, com rigor e respeito à lei", diz o secretário Cézar Schirmer.

Ele lamentou a morte do estudante, prometeu solução rápida a este crime, e complementou:

"Os criminosos precisam ter medo da polícia."

Fonte: Zero Hora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.