terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Testemunhas afirmam que coronel morto em assalto em Porto Alegre não reagiu

O coronel da reserva do Exército Leo Edson Schwalb , 67 anos, disse aos ladrões que eles "poderiam levar tudo"

Foto: Marina Pagno /Gaúcha

Antes de ser atingido por dois tiros em um assalto no bairro Partenon, em Porto Alegre, na tarde de segunda-feira (20), o coronel da reserva do Exército Leo Edson Schwalb, 67 anos, disse aos ladrões que eles "poderiam levar tudo". Após a vítima ter dito a frase, os criminosos efetuaram dois disparos à queima roupa, atingindo a cabeça e a barriga do militar.  

Moradores da região, que não quiseram ser identificados por medo de represália, relataram à reportagem, nesta terça-feira (21), que o coronel chegou na oficina, na rua Padre de Caldas, para resolver um problema na câmera de ré do carro. Quando a vítima estacionou o automóvel, e o mecânico chegava mais próximo do veículo, pelo menos três homens chegaram em um automóvel. Dois deles desceram, anunciaram o assalto e, em seguida fugiram com o Toyota Prado de Schwalb.

Conforme o delegado André Mocciaro, não é recorrente este tipo de delito na região.

O veículo da vítima foi encontrado pela Brigada Militar abandonado na Rua Bom Princípio, no bairro Jardim Carvalho, por volta das 21h de ontem. O coronel morreu por volta das 4h de hoje, após passar por cirurgia e ficar mais de 12 horas internado no Hospital de Pronto Socorro. Ele foi baleado na cabeça e no abdômen.

Fonte: Gaúcha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.