quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Policiais civis do Espírito Santo fazem greve após morte de colega

Agente foi morto em serviço quanto tentou evitar um assalto.

Foto: Tânia Rêgo /Agência Brasil

Os policiais civis do Espírito Santo fazem uma paralisação até meia-noite desta quarta-feira (8) em protesto pela morte de um investigador ontem em Colatina, na região norte do estado. O agente foi morto em serviço quanto tentou evitar um assalto.

Entidades da Polícia Civil que reúnem delegados, peritos, investigadores, médicos legistas, peritos criminais e agentes não descartam uma greve por reajuste salarial e melhores condições de trabalho. O Sindicato dos Policiais Civis do Espírito Santo fará uma assembleia amanhã à tarde para deliberar sobre a questão. A categoria apoia o movimento dos policiais militares do estado, que há cinco dias deixaram de fazer o patrulhamento das ruas.

As manifestações dos PMs começaram na sexta-feira (3), quando parentes de policiais, principalmente esposas, se reuniram em frente a 6ª Companhia, no bairro de Feu Rosa, no município da Serra, na Grande Vitória, e bloquearam a saída de viaturas. O grupo reivindica reajuste salarial e o pagamento de auxílio-alimentação, periculosidade, insalubridade e adicional noturno aos policiais.

Os protestos se estenderam para outros batalhões durante o fim de semana e, segundo a Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar do Estado do Espírito Santo, atingem todos os quartéis do estado.

AGÊNCIA BRASIL

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. A livre expressão é um direito de todos desde que não haja ofensa,caso contrário será removido.